Promovendo inclusão e desenvolvimento educacional de estudantes há mais de 10 anos, o CAIE viabiliza a garantia de acesso a uma educação inclusiva e, principalmente, equitativa e de qualidade, alinhada aos Objetivo de Desenvolvimento Sustentável

O Centro de Apoio à Inclusão Escolar (CAIE), há mais de 10 anos, tem proporcionado, a inclusão e o desenvolvimento educacional de crianças e adolescentes na cidade de Bauru. Atualmente são atendidos 742 estudantes em parceria com a Secretaria de Educação. Os atendimentos ocorrem com periodicidade semanal, sendo uma vez por semana para os alunos do ensino fundamental e duas vezes na semana para alunos da educação infantil.

Além disso, o Centro desenvolve o serviço de avaliação, que no momento está avaliando 127 crianças e adolescentes em processos diferentes de acordo com o fluxo. “Na avaliação eles passam inicialmente pelo acolhimento, serviço social, psicologia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, fisioterapia, pedagogia e neurologia” - Juliana Rodrigues Sigolo, Supervisora do CAIE.

O trabalho de inclusão com as crianças e adolescentes já era realizado pela APAE Bauru desde 2006, mas foi no final de 2010 que a prefeitura de Bauru firmou parceria para o atendimento efetivo dos alunos regularmente matriculados nas escolas do município.

Foto: Acompanhamento pedagógico na sala de informática

O CAIE tem seus atendimentos pensados no processo de inclusão de crianças e adolescentes com deficiência, ou que possuam necessidades especiais e necessitam de acompanhamento por equipe especializada com objetivo de apresentar conteúdos que facilitem o aprendizado e a inclusão igualitária no ensino regular. Os serviços prestados proporcionam aos estudantes a permanência no ensino regular de forma inclusiva e não somente busca a melhora da sociabilidade diária.

Carla Alves, Diretora de Divisão de Educação Especial, informou que a criação do serviço de atendimento ocorreu devido a necessidade observada em relação às dificuldades dos alunos matriculados no ensino regular. O processo aconteceu, inicialmente, com o retorno dos professores especialistas que atuavam cedidos nas instituições como a APAE Bauru para as escolas, para atuarem de forma centralizada no serviço de educação especial. Ela menciona que, “Antes os pais para conseguirem o diagnóstico, tinham que ir até o posto de saúde mais próximo e participar de um processo longo. Então, foi observada a necessidade do diagnóstico de maneira mais célere e eficaz e, além disso, a necessidade de uma avaliação estruturada passando por psicólogos, fonoaudiólogos, terapeutas e médicos.” 

E foi para atender a essas necessidades que a Secretaria Municipal de Educação entrou em contato com a APAE Bauru, dando início a parceria de serviço, que é a avaliação multidisciplinar, avaliação de diagnóstico e o tratamento, serviço essencial e fundamental na APAE Bauru, que atualmente atende, de forma regular, 742 alunos.

Foto: Atividade desenvolvida com acompanhamento da Psicóloga e Fonoaudióloga

Acesso ao atendimento

A pessoa com deficiência têm os seus direitos garantidos pela Educação, ou pelo o Sistema Único de Saúde (SUS). Para o processo de encaminhamento até o Centro de Apoio à Inclusão Escolar, o professor do ensino regular municipal necessita observar as dificuldades do aluno e conduzir uma notificação até a Secretaria Municipal da Educação. Com isso, o futuro aluno é agendado para a realização de um diagnóstico prévio, identificando suas dificuldades por meio de um processo realizado por psicólogos(a), fonoaudiólogos(a), pedagogos(a), fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, médicos neurologistas e serviço social.

Após todo esse processo e identificação dos pontos a serem trabalhados com o usuário, a equipe do CAIE desenvolve a acessibilidade, a adaptação e a comunicação da criança e do adolescente, onde a equipe produz um material exclusivo e adaptável para cada usuário utilizando de recursos tecnológicos, explorando a potencialidade da pessoa com deficiência.

“As pessoas com deficiência só precisam de oportunidade, porque elas são muito capazes, lógico que dentro das suas limitações. E esse serviço é fundamental para trabalhar de forma colaborativa entre Escola, Instituição e Família. Quando os 3 funcionam em conjunto, pode ter certeza que a criança vai ter uma evolução e, dentro das suas possibilidades, ela vai ter uma qualidade de vida significativa” - reitera Carla Alves, Diretora de Divisão de Educação Especial

Foto: Carla Alves, Diretora de Divisão de Educação Especial
Foto: Carla Alves, Diretora de Divisão de Educação Especial

Como funciona o atendimento no Centro de Apoio à Inclusão Escolar

O atendimento desenvolvido no centro é compartilhado entre o/a fonoaudiólogo(a) e o/a psicólogo(a), ambos com enfoque na aprendizagem, nos aspectos cognitivos, na linguagem e na socialização. Ele ainda tem como enfoque estimular habilidades como percepção, atenção, memória, criatividade entre outras, que desenvolvem e aprimoram as habilidades sociais e motivam a criança, ou o adolescente, em relação à aprendizagem escolar.

O que a equipe fala sobre a evolução das crianças

“Aos poucos conseguimos ver a independência do usuário em atividades que antes necessitavam de apoio e direcionamento. O usuário vai percebendo que tem potencial, e vamos verificando que os objetivos propostos foram sendo alcançados e isto nos traz muita satisfação” explica Cibele Ribeiro da Silva Michelini, fonoaudióloga do CAIE - Centro de Apoio à Inclusão Escolar.

“A parceria entre escolas, familiares e CAIE geram impactos positivos que podem ser percebidos em terapia, na sala de aula e no ambiente familiar. A evolução dos estudantes podem ser percebidas através da melhora em áreas como comunicação, desempenho escolar e comportamento. Também não podemos esquecer da motivação em relação à aprendizagem. O CAIE junto às escolas e as famílias buscam construir uma educação inclusiva, acessível para todos.” conta Helen Cazani Maciel, psicóloga do CAIE - Centro de Apoio à Inclusão Escolar.

Foto: Lorenzo Drohson Oliveira

O que as famílias dos usuários dizem…

“O CAIE foi tudo para o meu filho, eu não sei o que seria do Miguel sem o acompanhamento que ele tem aqui”, conta Mônica Fardin, mãe do Miguel Wilians Fardin, de 7 anos. Em entrevista para a APAE, ela diz que há três anos seu filho iniciou o acompanhamento no CAIE - Centro de Apoio à Inclusão Escolar e afirma que foi uma das melhores coisas que poderia ter acontecido tanto para o seu filho, quanto para a sua família. Antes de iniciar o atendimento seu filho tinha uma séria dificuldade de fala e comunicação, prejudicando sua evolução e interação com os colegas de escola. Foi só após as sessões no centro que ele evoluiu 70%, de acordo com a mãe.

“O Miguel é muito carinhoso, gosta de abraçar, de dar carinho, é natural dele, e ele ama vir aqui, se dependesse dele, ele vinha só aqui. É a melhor coisa que aconteceu em nossas vidas e ponto! Eu chorava, desacreditava a vida dele, pra mim, ver ele hoje, um menino de 7 anos, evoluindo, não tem palavras”.

Mônica Fardin


A Érika Drohson Oliveira é mamãe do Benício e do Lorenzo Drohson Oliveira, ambos com 5 anos e há dois eles utilizam os serviços de apoio educacional no Centro de Apoio à Inclusão Escolar. Érika contou para a APAE que são as terapias que eles realizam em conjunto com as profissionais (psicólogas e fonoaudiólogas), que auxiliam na rotina das crianças e nas dificuldades que elas possuem, ela conta que

“A qualidade de vida deles certamente melhorou com as atividades que vocês realizam, com o apoio que vocês já me deram como mãe, com 2 crianças atípicas, já conversei diversas vezes com as profissionais que trabalham aqui, e isso é muito importante”.

Erika Drohson Oliveira


A importância do atendimento!

“Os alunos com deficiência precisam de estimulação, oportunidade e orientação, principalmente a família. E o serviço de atendimento no CAIE gera a inclusão de toda família. Por exemplo, tinha uma criança autista que não frequentava aniversários, por conta de barulho, e depois do diagnóstico e acompanhamento, ele começa a ter contato com outras pessoas, vem as terapias, começa a trabalhar o comportamento, resultando em uma melhor convivência com outras pessoas.” A Diretora da Divisão de Educação Especial, Carla Alves, contou à APAE que a importância da parceria também ocorre na formação continuada, onde é proposto cursos, além das visitas escolares. Pois após o diagnóstico a entidade vai na escola para falar do aluno em questão, falar qual o diagnóstico, o que eles estão trabalhando, quais são as necessidades e também colher o que a escola vem passando, o que gera como um todo um trabalho colaborativo.

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável priorizados pela APAE Bauru

A APAE Bauru acredita que o reconhecimento da igualdade e equidade de direitos fortalece os programas de inclusão e garante a obtenção de resultados mais efetivos para serem replicados e expandidos, colaborando imensamente com a quebra de barreiras e preconceitos, por isso apoia e está alinhada com as Ações do Pacto Global das Nações Unidas que buscam assegurar os direitos humanos, acabar com a pobreza, lutar contra a desigualdade e a injustiça, alcançar a igualdade de gênero e o empoderamento de mulheres e meninas, agir contra as mudanças climáticas, bem como enfrentar outros dos maiores desafios de nossos tempos.

Alinhada com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, a APAE Bauru tem ações relacionadas a todos os 17, mas prioriza seis deles com projetos vinculados ao negócio ou ao compromisso com a sociedade. 

Apoie esta causa!

O Centro de Apoio à Inclusão Escolar (CAIE), faz parte dos serviços sociais que a APAE Bauru desenvolve em parceria com a Prefeitura de Bauru, e você pode ajudar a construir o futuro dos alunos com a sua doação.

Acesse o nosso portal de doação https://portal.apaebauru.org.br/doe-ja/ e abrace esta causa! 

 

Acompanhe a APAE Bauru nas redes sociais

Facebook e Instagram

Compartilhe